Quarta, 22 de janeiro de 2020
47 99116-3294
Política

13/01/2020 ás 10h32

Redacao

Itajaí / SC

Com dificuldade de articulação, número de decretos assinados pelo Governo Federal cresce 26% em relação a 2018
Leia a coluna Esplanada desta segunda-feira (13)
Com dificuldade de articulação, número de decretos assinados pelo Governo Federal cresce 26% em relação a 2018
Wilson Dias/Agência Brasil

Canetada

A edição de decretos durante o primeiro ano do governo Bolsonaro cresceu 26% em relação a 2018. Conforme levantamento feito pelo Coluna nos registros da Presidência, foram 536 decretos em 2019 contra 398 assinados pelo ex-presidente Michel Temer. No primeiro ano do governo de Dilma Rousseff, em 2011, foram 239. Devido à dificuldade de articulação no Congresso, Bolsonaro recorreu ao expediente que não precisa de aprovação do Legislativo e serve para regulamentar leis e dispor sobre a organização da administração pública. 

Armas

Em resposta à enxurrada de decretos, congressistas apresentaram dezenas de projetos para derrubar as medidas do Planalto. Um deles, que flexibilizava a posse e o porte de armas, foi derrubado pelo Senado.

Conanda

Outros decretos também foram alvo de questionamentos no STF. Recente, o ministro Luís Barroso suspendeu a canetada de Bolsonaro que esvaziava o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

Sucessão  

Líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE) já começou a trabalhar no recesso parlamentar para tentar emplacar o filho, deputado Fernando Bezerra Filho, na presidência da Câmara em 2021. 

Banco do Nordeste

Cotado para presidir o Banco do Nordeste, Júlio Cézar Alves de Oliveira, funcionário de carreira do Banco do Brasil, enfrenta resistências no Governo e incomoda a bancada do Nordeste no Congresso.

Conexão

Atualmente, o banco é comandado por Romildo Rolim, indicado pelo ex-presidente  Michel Temer. Quem tenta derrubar a nomeação lembra a integrantes do governo sobre a relação de Júlio Cézar com o arrecadador do PT e MDB, Ivan Guimarães, ex-presidente do Banco Popular.  

Regalia$

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), congelou uma proposta que prevê a redução de cerca de R$ 500 milhões, por ano, nos gastos da Casa. Foi apresentada pelo senador Lasier Martins (Pode-RS) em abril e aguarda inclusão para discussão em plenário.  

Cargos

Lasier sugere no projeto (PRS 31/2019) eliminar cargos comissionados de setores de caráter temporário, além de verificar gastos com a terceirização de serviço, o pagamento de passagens aéreas e os apartamentos funcionais.

Vaquinha 

O PT recorreu à “vaquinha” para bancar a festa de 40 anos do partido que será realizada entre os dias 7 e 9 de fevereiro no Armazém da Utopia, no Rio. As cotas de doção variam de R$ 20 a R$ 2500.

Fake news

Pesquisa realizada pelas ouvidorias da Câmara e do Senado revela que, de cada 10 brasileiros, 8 já identificaram fake news nas redes sociais e 82% afirmaram verificar se uma informação é verdadeira antes de compartilhá-la.


 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Esplanada

Esplanada

Blog/coluna Direto de Brasília - Leandro Mazzini e sua equipe de jornalistas, apresentam os bastidores do poder e da política na Capital Federal
Facebook
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados